Um mórmon no poder

06/08/2007 18:45 em Vida Americana

mitt.jpgSeattle, Washington – Rico, bonito, empresário de sucesso, pai e marido exemplar, sem antecedentes criminais (nem multa por velocidade), republicano e mórmon. O ex-governador de Massachusetts, Mitt Romney, 60 anos, o homem que salvou as Olimpíadas de Salt Lake City em 2002 e fez fortuna com a firma de investimentos Bain Capital, é um dos candidatos mais afluentes entre os republicanos para a sucessão de George Bush – a ponto de ter sido capa de praticamente todas as revistas de negócios desde que o ano começou.
Romney, no entanto, peca por ser mórmon. O país está cansado da mistura entre Igreja e Estado que os neoconservadores encabeçados por Bush promoveram nos últimos anos, a ponto de levarem o país a uma guerra fratricida e sem sentido no Iraque só para satisfazer ao complexo industrial militar. Os mórmons pertencem à religião que mais cresce nos Estados Unidos, embora seja mais conhecida entre outros credos por abrigar entre seus devotos os chamados casamentos múltiplos (um homem, às vezes com dezenas de esposas), especialmente em regiões remotas do país.
Em todos os debates que participa, Mitt é confrontado com perguntas sobre a influência da religião no poder, especialmente na tomada de decisões que apaixonam os Estados Unidos atualmente, como a liberação de fundos federais para a pesquisa de células-tronco, direito ao aborto, casamentos entre homossexuais e outras conquistas (ou atrasos, segundo os neoconservadores) da sociedade norte-americana no fim do século passado. Mitt, como bom político, escorrega-se dos petardos com a firmeza de um quiabo, mas no final do dia, como todos sabem, o que vale é uma boa administração.
É neste ponto que Mitt é fantástico. Ele é uma espécie de SWAT que chega com um time de craques para resolver qualquer problema do mundo dos negócios. Formado por Haward (entre os cinco melhores alunos), cresceu como consultor na Bain & Company, mas desiludiu-se ao notar que seus conselhos não eram seguidos. Propôs, e tornou-se sócio, da Bain Capital, que com apenas US$ 37 milhões para investir fez o sucesso de empresas como Brookstone, Sealy, Domino’s Pizza e Staples, na qual colocou US$ 600 mil e hoje fatura US$ 18 bilhões.
Como este formidável DNA de administrador, Mitt foi chamado às pressas para salvar as Olimpíadas da Inverno de 2002, em Salt Lake City (reduto dos mórmons). Em 1999, durante os preparativos, os jogos estavam a perigo, com escândalos de corrupção e US$ 379 milhões de saldo negativo. O homem chegou, cortou custos, arranjou novos patrocinadores e, ao final da competição (“trabalhar lá era como enfrentar um final de uma copa do mundo 17 vezes em 17 dias”) ainda obteve um lucro de US$ 100 milhões.
Foi o passe para lançar seu nome nacionalmente. Em 1994, já tinha tentado arrancar o democrata Ted Kennedy a quase centenária invencibilidade como senador de Massachusetts, mas foi dizimado como uma saraivada de anúncios na TV afirmando que sua atuação na Bain Capital, comprando e vendendo empresas, levou à demissão de milhares de funcionários (e eleitores). Perdeu a eleição para o Senado, mas foi eleito governador do Estado de 2002 a 2006. Lá, virou a mesa transformando um déficit de US$ 3 bilhões num superávit de US$ 1 bilhão, criou seguro saúde universal que hoje é referência nos Estados Unidos e ainda um arrojado plano para proteger a ecologia. Tornou-se, também, presidente da Associação dos Governadores Republicanos, outra plataforma para chegar à Casa Branca.
Como empresário, o forte do candidato Mitt Romney (apenas 11% de preferência nas pesquisas) é obter dinheiro, mas muito dinheiro para eleger-se presidente dos Estados Unidos. É o candidato republicano que mais arrecadou (US$ 23 milhões), embora não tenha superado a favorita dos democratas, Hillary Clinton, que conseguiu, com o apoio do marido, o ex-presidente Bill Clinton, cerca de US$ 26 milhões. O que mais está surpreendendo os analistas é como Romney está conseguindo levantar dinheiro através de pequenas doações no seu site na internet.
Romney poderia ser católico, protestante, judeu, muçulmano ou ateu, mas o fato de ser mórmon o joga numa zona de incerteza pelo próprio desconhecimento que a maioria das pessoas tem da igreja fundada nos Estados Unidos pelo visionário Joseph Smith em 1830 e que hoje conta com mais de 13 milhões de adeptos só nos Estados Unidos. Como é comum não gostarmos daquilo que não conhecemos, por insegurança ou medo, fica difícil saber o que um mórmon vai fazer na Casa Branca.

Clique para ouvir:



icon for podpress  Podcast [3:28m]: Play Now | Play in Popup | Download
Você pode deixar um comentário, ou um trackback de seu site.
Assine o feed dos comentários (RSS 2.0)

9 comentários sobre "Um mórmon no poder"

  1. Judson Maciel diz:

    10/08/2007 17:07

    Acredito que assim como Bertrand Russel comentou, bem como outros filósofos e pensadores: “A religião cristã sempre foi e ainda é a principal inimiga do progresso moral da humanidade.” Karl Marx também disse o seguinte: “O primeiro requisito da felicidade dos povos é a abolição da religião.” E isto é a mais pura verdade. Religião por si só já é terrível, misturada com política é uma fronta ao intelecto humano e um retrocesso no progresso da sociedade. Sempre o escuto mas hoje resolvi além de escutar, também comentar. Parabéns pelo Podcast ! Excelente qualidade e muito bem elaborado.

  2. JRod diz:

    12/08/2007 2:19

    Não conhecia Romney até 2 semanas atrás. Pessoalmente estou satisfeito com o “histórico” dele mas o que me fez comentar foi o fato de eu ser um SUD (ou “mórmon” como normalmente somos conhecidos). E menciono duas citações de Joseph Smith sobre o mormonismo que são fortes promessas a uma boa gestão de Romney:

    1) “Cremos na submissão a reis, presidentes, governantes e magistrados; na obediência, honra e manutenção da lei.”

    2) “Pretendemos o privilégio de adorar a Deus Todo-Poderoso de acordo com os ditames de nossa própria consciência; e concedemos a todos os homens o mesmo privilégio, deixando-os adorar como, onde ou o que desejarem.”

    A obediência as leis de Deus e as da Terra, leia-se Governo (seja democrático ou hirarquico) é característica básica da nossa religião e seus membros. Se Romney confessa sua religião então considere isso como um juramento a bandeira americana e seus interesses.

    Seja os interesses aborto, homossexualismo, Iraque e outros, é parte de nossa fé a crença na liberdade de adoração, ou seja, acredito que Romney, como líder do Governo irá permitir que seu povo tenha a liberdade de agir que deseja, que é a mesma que pretendemos ter. Entretanto, Romney e os mais de 12 milhões de membros espalhados no mundo irão trabalhar para afastar qualquer tipo de prática nociva a sua família dentro de seus lares.

    Obrigado pelo espaço,
    JRod

  3. said tadeu nolli diz:

    20/08/2007 17:32

    Não açho que vai mudar alguma coisa ele sendo mormon, já que existem muitos interesses por traz do governo de qualquer país do mundo, principalmente dos Estado Unidos da América.
    E alendo mais o presidente atual da igreja apoia a guerra contra o terrorismo, isso é desanimador, Aliahona de janeiro de 2002.

  4. Ricardo Pedrosa diz:

    21/08/2007 1:24

    Sou membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, também conhecida como mórmon. Resido em Portugal, pelo que não me afecta directamente quem quer que ganhe as eleições presidenciais nos Estados Unidos. Apenas gostaria de corrigir uma informação que está errada no artigo acerca da Igreja à qual tanto eu como Mitt Romney pertencemos.

    Na Igreja Mórmon não existem casamentos múltiplos!

    Explicação: Os casamentos plurais foram uma prática corrente nos primórdios da Igreja, até que no ano de 1890 a prática foi definitivamente abolida entre os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

    O Presidente Gordon B. Hinckley, líder mundial da Igreja proferiu recentemente a seguinte declaração :

    “ Desejo declarar categoricamente que esta Igreja nada tem a ver com os que estão praticando a poligamia. Eles não são membros da Igreja; na sua maior parte, nunca foram. Eles estão violando a lei civil. Eles sabem que estão violando a lei e estão sujeitos às respectivas penalidades. Esse assunto, portanto, está completamente fora da jurisdição da Igreja.

    Se algum de nossos membros for descoberto praticando o casamento plural, será excomungado, a penalidade mais séria que a Igreja pode impor. Quem estiver envolvido nessa prática estará a violar frontalmente não só a lei civil, mas também a lei desta Igreja.”

    O mal-entendido surge porque grande parte da população do estado de Utah é mórmon. Existem no Utah algumas pequenas comunidades de não membros da Igreja que praticam casamentos múltiplos. Se alguma dessas pessoas quiser tornar-se mórmon terá de abandonar a poligamia.

    Ao fazer este reparo não quero tirar mérito ao autor do artigo, até porque sei que há muita “desinformação” espalhada pela internet e outras fontes, é tudo uma questão de se pesquisar no sítio certo, ou seja se eu quiser conhecer o desporto “baseball” não devo ir ler literatura sobre futebol só porque também usam uma bola, sob pena de ficar mal informado. Assim da mesma maneira o melhor é procurar a informação nas fontes correctas, algumas fontes fidedignas são:

    www.ldschurch.org - site oficial da Igreja
    e
    www.alaum.net - site não oficial, completamente em português, com vasta informação sobre a Igreja

  5. Marcelo diz:

    01/10/2007 19:09

    Somente corrigindo a informação acima de que o presidente Hincley pronunciou-se a favor da Guerra Iraquiana.

    Presidente Hinckley pronunciou-se neutro com relação a invasão do Iraque. Como SUD acreditamos que a única guerra legítima é aquela pela defesa de nossas liberdades civis, a defesa da segurança de nossas famílias. Os governantes americanos alegam estarem fazendo isto ao invadirem o Iraque e o Afeganistão, e presidente Hinckley bem salientou em seu discurso citado na Liahona de 2002, que sobre os ombros destes governantes Deus cobrará a responsabilidade pela idoneidade de suas intenções. Pres. hinckley também salientou o direito de todos aqueles que discordam de poderem protestar dentro dos parâmetros legais.

    Quanto a Bertrand Russel, discordaria completamente dele. Quando os revolucionários franceses mataram Deus dentro de seu coração, logo perceberam que nada mais os impediam de serem cruéis e malignos. Hitler & Heidegger seguiram direito a cartilha deixada em “Assim falou Zaratrusta” e tivemos o maior genocídio da época moderna.

    Claro que se ou autor acima fala em separação entre Política e Religião, nisto eu concordaria. Rommney é apenas um mórmon concorrendo à presidência americana tal qual Kennedy foi um católico que assumiu a mesma presidência. E assim como em nada mudou a religiosidade ou política dos USA em ter um presidente católico, em nada mudará caso um mórmon assuma o poder.

    Um abraço!

  6. Antonio Cavaleiro - Blm-PA-Brasil diz:

    12/11/2007 21:15

    É importante salientar que se Rommney realmente anseia a presidência dos Estados Unidos deve orar a Deus e perguntar se isso é a vontade dEle, pois se realmente assume ser um membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos ùltimos dias então logicamnete ele sabe que fez um convênio com Deus em nome de Jesus. Posto isto isso deve pedir sabedoria para poder ser presidente e não ser contrapoducente aos ensinamentos da Igreja. Um abraço!

  7. Leonardo Vasconcelos da Silva diz:

    24/11/2007 8:29

    Espero e estou orando para o você vencer na candidatura a presidencia dos Estados Unidos, se eu morasse ai trabalharia na sua campanha de graça só para ver um homen te teme a Deus melhorar o país que tanto precisa…

  8. Getulio Vasconcelos diz:

    12/12/2007 12:44

    Fico feliz por saber que um membro da Igreja está apto para uma dis-
    puta tão importante. Não fico surpreso, pois sei que a Igreja de Cristo
    florescerá em todas ás áreas, pois nela existe o Sacerdócio Real.
    Parabéns Mitt Romney.
    Contagem, 11/12/2007.

  9. Camila Assunção Merlo diz:

    19/12/2007 15:08

    Nossa…
    Eu sou membra desse maravilhoso e verdadeiro evangelho de cristo, me orgulho em saber que Romney esta na disputa pela melhora desse país.
    Tenho certeza que se for da vontade de CRISTO ele desempenhará um ótimo trabalho. Por ele ser uma pessoa SUD nao quer dizer que ele irá impor as coisas relativa a religião no governo. (Se esse é o medo da população).
    Fico mt fico muito feliz pelos comentário dos membros da igreja aqui nesse site.
    Parabéns Romney!!!

    um abraço.

    C.A.M.

Deixe seu comentário